Companhia Arte em Espetáculos

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Troca de Asas


Sobrevoei um límpido mar e em suas águas mergulhei
Nadei em meio a cardumes como uma sereia
Fui seguindo a correnteza até que uma onda
Levou-me numa praia de branca areia.


Sob a sombra de um coqueiro descansei
Depois a terra adentrei, alcançando a floresta
Onde todos os bichos estavam em festa
Então a eles me misturei
Imitando o macaco de galho em galho pulei
E como os pássaros, diversos cânticos entoei.

Cheguei num campo e como borboleta
Dancei em meio a coloridas flores
Admirei maravilhada e senti seus deliciosos odores
Trilhei até o rio, saciei a sede e sentei-me na beira
Logo à frente banhei-me numa bela cachoeira.

Retomei o caminho até um descampado
Vi andando livres, porco, vaca, cavalo e galinha
Encontrei também plantação e arado
Avistei no alto da colina uma casinha.

Conheci uma família unida e generosa
Que me ofereceu comida muito gostosa
Arroz, feijão, salada e leguminosa.
Depois cedeu –me gentilmente uma rede preguiçosa.

Infelizmente, acordei num triste mundo sem beleza
Onde gente mata gente, animais e a natureza
Sem um pingo de sentimento
Vai semeando o sofrimento.

Ai! Quero de volta as asas do sonho
E eliminar o coração aflito
Trocar por asas de anjo
E voar para o infinito.

Rosana Montero Cappi

3 comentários:

Marisilda Tescaroli disse...

Muito bonito Rosana. O que seria de nós se não navegassemos nas asas dos sonhos? Até os animais sonham. Bálsamo divino para as agruras do dia-a-dia neste planeta lindo e cruel.

Marisilda Tescaroli disse...

Muito bonito Rosana. O que seria de nós se não navegassemos nas asas dos sonhos? Até os animais sonham. Bálsamo divino para as agruras do dia-a-dia neste planeta lindo e cruel.

Regina Gois disse...

Ainda bem que temos os sonhos que nos dar força para caminhar.
Belos versos!