Companhia Arte em Espetáculos

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Homem Nobre, Homem de Paz



Como falar de paz, se há maus pensamentos, falta de humildade e fé?
Como querer o benefício de todos, se não se beneficia a própria essência?
Como falar de paz, se não há vida de sabedoria,
E  não se assume os erros cometidos,
Onde não há preocupação em se preservar a reputação?
Como falar de paz, se os poderosos se vangloriam de suas virtudes
Seguindo aprisionados pela cobiça e ganância?
Como falar de paz, se não há mais regras e um caminho de esperança
A garantir a estabilidade aos corações?
Como falar de paz, se não há segurança
E o mal vai se enraizando, causando conturbações?
Parece que não, mas a paz é possível sim
Ao ser promovida a transformação em cada ser humano
Seja ele, do povo, político ou governante
O homem nobre ressurgirá
E esse homem nobre é capaz de se transformar
E se cada um esforçar-se ao máximo
Haverá o grande resultado, a real concretização
De uma terra de grande harmonia e de Paz.

Texto publicado na Coletânea Manifesto Poético Pela Paz II - Portal do Poeta Brasileiro-
Lançado na Bienal do Livro de São Paulo em 27/08/ 2014.    


Rosana Montero Cappi ( Cadeira 54 ANLPPB)



             

Um comentário:

Ateliê Andrea Costa disse...

Querida amiga sua compreensão é muito profunda e fico muito grata pelas suas palavras, pois nos faz refletir toda a prática do caminho para resgatarmos essa pureza da simplicidade.