Companhia Arte em Espetáculos

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

SONHO




Sonho, bolinho recheado de creme ou goiabada

Fazia a alegria da criançada

Delícia difícil de descrever

Teu gosto era um prazer.

Para especificar a gostosura

Do doce frito na gordura

Deu-se o nome de algo irreal

Para um quitute sem igual.

Especialidade da Dona Elvira, minha avó

Confeiteira que nem ela só

Que desse mundo já se foi e com ela levou o sonho

Que hoje no balcão da padaria é tão tristonho.

A receita tentei fazer, não consegui

Muita saudade eu senti

Guardo na lembrança a marca daquele sabor

Cujo principal ingrediente era o amor.

Sonho, doce de minha infância

Fantasia de menina.

Nome de algo tão desejado

Difícil de ser alcançado.

Sonho, do poeta é inspiração

Pura ilusão

Objetivo final

Meta principal.

Sonho, motivo para viver

Razão para não morrer.

Do paladar a satisfação

Aspiração do coração.

Sonho, delírio do sono ou da imaginação

Concretização da razão

Cura para a depressão

Motivação para qualquer realização.


Rosana Montero Cappi

3 comentários:

Vicente de Paulo disse...

Os doces de nossa infância eram feitos com receita, mas tinham ingredientes que não conseguimos reproduzir da mesma forma: carinho e afeto. Deu saudades... Marisilda

Sandra C. Perossi disse...

Querida Rosana, tudo o que um sonho precisa para ser realizado é alguém que acredite que ele possa ser realizado, pois nossa vida é feita de sonhos.Então vamos colocar a mão na massa e transformar os ingredientes que você tão bem colocou: amor, esperança, inspiração e motivação, em satisfação e alegria de viver.
Beijos

Sandra

Edione disse...

ROSANA,O SONHO É UMA DELICIA.
A VÓ ELVIRA TINHA MUITA SABEDORIA.COMO ÉLA FAZIA SONHOS GOSTOSOS.
LINDOS POEMAS TAMBEM FAZIA.
E NOS DEIXOU ALEGRIAS E MUITOS
SONHOS QUE FICOU NA SAUDADE,TANTO
VOCÊ NETA, E EU COMO FILHA.
BEIJOS